Arquivo do autor:Alberto Queiroz

Silêncio em Deus

Santa Gemma Galgani

Silêncio em Deus — sem fim poderia celebrar-te em mim.
Como a beleza ao amor leva, assim a ventura do amor me trazes —
Mesmo se nenhum’outra alegria me restasse.

Silêncio em Deus — eis que sempre tornas a mim;
E meu coração, incansável, te canta. Como em minh’alma
As graças dia a dia ressoam, por Deus dadas.


[Poema alemão de Frithjof Schuon traduzido e ligeiramente adaptado. A foto é de Gemma Galgani (1878-1903), santa e mística italiana.]

Um ano abençoado a todos os leitores.

Um novo livro online de Frithjof Schuon para o Natal

Early-Fanous-Virgin

 

Temos a alegria de, neste Natal, trazer ao leitor de língua portuguesa um livro de Frithjof Schuon que já se esgotou em papel, Raízes da Condição Humana, traduzido por nós, com ajuda de nossa filha Liana Becker Queiroz.

O livro começa com um belíssimo capítulo que explica o que é a inteligência. Outros capítulos discutem os limites da ciência, o conceito do Princípio Feminino supremo, o amor etc. Continuar lendo

O estado material é um grão de poeira

“O estado material se estende à nossa volta e se perde nos abismos do espaço; e, no entanto, esse espaço, com suas galáxias e suas metagaláxias, ou com seus bilhões de anos-luz, não é senão um grão de poeira em comparação com o estado anímico, que o envolve e o contém, mas não espacialmente, está claro. O estado anímico, por sua vez, não é senão uma parcela ínfima em relação à manifestação supraformal ou celeste; e esta não é nada em relação ao Princípio.”

Frithjof Schuon, Forme et Substance dans les Religions, Dervy-Livres, Paris, 1975, página 67.

O jagadguru de Kanchipuram e os sacramentos cristãos

Kanchi_Paramacharya.148201558_std

Jagadguru Chandrashekarendra Saraswati Swamigal

por Mateus Soares de Azevedo

Segundo a doutrina católica (e também da Igreja Ortodoxa), sete são os sacramentos (“signos visíveis de uma influência espiritual invisível”, segundo Santo Agostinho):

  1. Batismo
  2. Crisma (ou confirmação)
  3. Confissão (ou penitência)
  4. Eucaristia
  5. Matrimônio
  6. Ordenação sacerdotal
  7. Extrema-Unção (ou unção dos enfermos).

Continuar lendo

Uma descrição do pacto iniciático sufi

Shaikh_Sayidna_Ahmed_Al_Alawi

“Este rito, que tem inegável suporte na Escritura, é hoje a forma comum de se ligar a um mestre e à sua via espiritual. Ele re-efetua o pacto feito no começo dos tempos entre Deus e a humanidade (Alcorão, 7:172). De uma maneira mais tangível, este rito renova o compromisso contraído pelos Companheiros com o Profeta, em Hudaybiyya: Continuar lendo

A indiferença é a marca da Queda

05_ernio

Tendo fechado ele próprio o seu acesso ao Céu e tendo repetido diversas vezes — e em marcos mais restritos — a queda inicial, o homem terminou por perder a intuição de tudo o que o supera e, junto a isso, ele se tornou inferior à sua própria natureza, pois só se pode ser plenamente homem por Deus, e a terra só é bela por sua ligação com o Céu. Mesmo se o homem ainda é crente, ele cada vez mais esquece o que a religião no fundo é: ele se espanta com as calamidades deste mundo, sem imaginar que elas podem ser graças, pois elas rasgam — como a morte — o véu da ilusão terrestre e permitem, assim, “morrer antes de morrer”, portanto, vencer a morte. Continuar lendo

As verdades irrefutáveis das imagens

800px-Monreale_photo_ru_Sibeaster16

A ingenuidade de certos conceitos que na prática são dogmáticos se explica, por um lado, pelo simbolismo natural das coisas e, por outro, por uma sábia preocupação de proteção; pois, se a verdade tem por função, no fim das contas, divinizar o homem, ela não poderia ter ao mesmo tempo a função de desumanizá-lo. Por exemplo, ela não poder ter o objetivo de nos levar a entrar nos horrores do infinitamente grande, nem nos do infinitamente pequeno, como quer a ciência moderna; para chegar a Deus, temos o direito de permanecermos crianças, e a bem dizer não temos escolha, dados os limites de nossa natureza. Continuar lendo