Em A Transfiguração do Homem, último de seus livros filosóficos, Frithjof Schuon aborda rapidamente a questão do trabalho, sob o aspecto de sua integração na espiritualidade:

O culto moderno do trabalho se baseia, por um lado, no fato de que o trabalho é necessário para a maioria dos homens, e, por outro lado, na tendência humana de fazer de uma coação inevitável uma virtude. No entanto, a Bíblia apresenta o trabalho como uma espécie de punição: “Comerás teu pão com o suor do teu rosto”; antes do pecado original e da queda, o primeiro casal humano ignorava o trabalho. Em todos os tempos e em toda parte houve santos contemplativos que, sem ser com isso preguiçosos, não trabalhavam, e todos os mundos tradicionais nos oferecem — ou nos ofereciam — o espetáculo de mendicantes a quem se davam esmolas sem nada exigir deles, salvo, eventualmente, orações; nenhum hindu pensaria em censurar um Râmâkrishna ou um Maharshi pelo fato de não exercerem nenhum ofício. Foram a impiedade generalizada, a supressão do sagrado na vida pública e as coações do industrialismo que tiveram por efeito que se faça do trabalho um “imperativo categórico” à margem do qual, crê-se, só há preguiça culpável e corrupção.

Seja como for, há trabalho e trabalho: há — desde sempre — a agricultura nobre e o artesanato no lar ou nas oficinas da antigas corporações, e há — desde o século XIX — a escravidão industrial nas fábricas; escravidão tanto mais embrutecedora, se não aviltante, por ser seu objeto a máquina e por não oferecer na maior parte do tempo nenhuma satisfação propriamente humana ao trabalhador. No entanto, mesmo este trabalho — em geral mais quantitativo que qualitativo — pode ter subjetivamente um caráter sagrado ou santificado graças à atitude espiritual do trabalhador, se este, sabendo que não pode mudar o mundo e que deve viver — e fazer viver os seus — segundo as possibilidades que lhe são acessíveis, se esforça por combinar seu labor com a consciência de nossos fins últimos e a “lembrança de Deus”; ora et labora.

Dito isto, é preciso acrescentar que a liberdade consiste bem mais em nossa satisfação com a situação que é a nossa do que na ausência total de coações, a qual não é praticamente realizável neste mundo e, além disso, não é sempre uma garantia de felicidade.

O extrato fala por si. Na edição brasileira, está nas páginas 56 e 57. No original francês, nas páginas 54 e 55.

2 ideias sobre “

  1. Carlos Alberto Nacsa

    A clareza das ideias e a forma sintética com que expõe seus textos é uma verdadeira bússola para quem procura esclarecer dúvidas e busca uma direção confiável, obrigado pelos textos

    Resposta
    1. Alberto Queiroz Autor do post

      Caro Carlos Alberto, você se exprimiu bem: Schuon é de fato uma verdadeira bússola intelectual no perdido mundo de hoje. Fico feliz de saber que os textos estão atingindo leitores interessados e inteligentes. Espero poder publicar novos extratos em breve. Felicidades.

      Resposta

Deixe uma resposta para Carlos Alberto Nacsa Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s